O que dizem a Veja, a Isto É e a Época deste final de semana

Sinopse das revistas (12.08.2017).

A *Veja* destaca, em sua capa reportagem investigação sobre a política de cotas nas universidades. Na matéria, a conclusão é de que o sistema de cotas “não é perfeito, mas funciona”. Fim do amor entre Dória e Alckmin, oferta de delação feita por Cláudia Cruz (mulher de Cunha), suspeição de Janot pedida por Temer e derrota de candidato a prefeito apoiado por Lula, no Piauí, são destaques da publicação da editora Abril.

A revista *Isto É* investe, em matéria de capa, contra a senadora Gleisi Hofmann, por sua posição favorável a Maduro. Matéria evoca investigações contra Hofmann. Publicação se posiciona, em matéria crítica, contra a reforma política aprovada por comissão especial, na Câmara. Janot é alvo de outra matéria, em tom crítico, da Isto É. Revista expõe os problemas da falta de recursos para a ciência, no país.

 

A revista *Época* destaca em sua capa a reforma política da Câmara, abordando a questão em tom crítico. A matéria avalia a proposta do ‘distritão’. Dória é motivo para reportagem analítica sobre a trajetória política do tucano. No âmbito da Lava Jato, fim das negociações com Eduardo Cunha sobre delação, que não haverá, mais. Auditoria na Caixa (no setor comandado pelo PMDB) revela planilha de políticos do PMDB, PSC e PT (Eduardo Cunha, Geddel, Marco Maia, pastor Everaldo, Leur Lomanto, Sandro Mabel e Mauro Lopes).

Segue a sinopse das revistas:

*Veja*. *“O avanço das cotas. Para avaliar a política que abre as universidades a negros e pobres, Veja examinou uma dezena de estudos e pesquisou o desempenho de 300 diplomados – e o resultado é surpreendente. ”*. Essa é a matéria de capa da revista, com ilustração de acadêmicos. *Outras chamadas de capa*: “Fronteira fechada. Até que ponto o projeto de Trump afeta quem quer morar nos Estados Unidos“/”A nossa Guantánamo. Como vivem os primeiros brasileiros adeptos do Islã condenados por terrorismo. *Destaques internos*: “Partidos. Acabou o amor entre João Doria e Geraldo Alckmin”/“_Lava-Jato. Michel Temer pede a suspeição do procurador Rodrigo Janot_”/“Supremo. O STF rejeita proposta de aumento de salário”/“_Delações. Cláudia Cruz, mulher de Eduardo Cunha, se oferece para delatar_”/“Piauí. Candidato apoiado por Lula perde eleição no estado”/“_Justiça. VEJA entrou na prisão e entrevistou os primeiros brasileiros condenados por terrorismo_”/“Negócios. A luta dos irmãos Batista para salvar seu império”/“_Educação O sistema de cotas nas universidades não é perfeito, mas funciona_”/“Venezuela. A bola está com os militares”/“_Estados Unidos. Brasileiros serão prejudicados com a nova lei de imigração_”/“Conflito. O perigoso bate-boca entre Trump e Kim Jong-un_.”

*Isto É*. *“Os crimes e devaneios de Gleisi do PT. Acusada pela PF de corrupção e lavagem de dinheiro, a senadora e presidente do PT, Gleisi Hofmann, aposta na radicalização como forma de se blindar e saúda as violências praticadas na Venezuela. Ela perdeu totalmente a noção de democracia”*. Essa é a matéria de capa da revista, com foto de Gleisi Hofmann, com boné de guerrilheira. *Outras chamadas de capa*: “Contrabando. O grupo radical Hezbollah toma conta das fronteiras brasileiras/”Sérgio Cabral. Como o ex-governador do Rio se tornou o político mais processado do país“. *Destaques internos*: “Os recados da floresta. Após o escândalo de corrupção que cassou o governador, eleição fora de época no Amazonas não trouxe renovação: dois políticos tradicionais disputarão 2º turno”/“_Entrevista. ‘Basta Maduro chamar que o PT vai lamber a mão dele’, diz Aloysio Nunes Ferreira Filho_”/“O melancólico crepúsculo de Janot. Às vésperas de deixar a PGR, Rodrigo Janot acumula reveses, é tachado de o “procurador mais desqualificado da história” e agora terá de se explicar sobre o aluguel de um imóvel para um procurador”/“_ O campeão nacional de processos. O ex-governador do Rio Sérgio Cabral vira réu pela 14º vez em um processo que apura desvios de mais de R$ 145 milhões diretamente para seus bolsos. O apetite financeiro do político parece não ter fim. Ele já soma quase R$ 1 bilhão em propina_”/“A corrupção da bolivariana do PT. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, é fisgada pela PF por corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro, radicaliza o discurso e torna-se a voz mais vigorosa no partido em defesa do regime ditatorial de Nicolás Maduro”/“_Apropriação indébita. Na essência, a reforma política aprovada na comissão especial da Câmara objetiva tungar mais dinheiro público, ao criar um fundo imoral de R$ 3,6 bilhões para financiar campanhas_”/“Ciência ameaçada. Sem recursos para honrar mais de 100 mil bolsistas que dependem de verbas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, País pode ter ‘evasão de cérebros’”.

*Época*. *”Eles deram as costas ao eleitor. No momento em que o Brasil precisa de reformas para voltar a crescer e gerar empregos, alguns deputados se preocupam com a própria sobrevivência na política”. ”*. Essa é a matéria de capa da revista, com ilustração simbolizando políticos, de costas. *Outros destaques internos*: “Editorial. Um país de gente com boas ideias. Parece mentira, mas até pouco tempo atrás o Brasil vivia uma grande fase. Restauramos a democracia, domamos a inflação e criamos políticas públicas de inclusão que se tornaram referência internacional. O país foi considerado a bola da vez, ganhou o direito de sediar Copa e Olimpíada, e motivou reportagens positivas na imprensa de todo o mundo. Agora, o Brasil só é notícia em matérias sobre pobreza, violência e corrupção. Estamos em crise econômica e sem fé nos políticos – alguns deles, inclusive, estão na cadeia. O que se perdeu?”/“_O que vem primeiro: O ovo ou o tucano? Uma hostilidade em Salvador dá ao prefeito de São Paulo a chance de bater no PT e ser visto como candidato a presidente, enquanto seu PSDB se dilacera_”/“Eugênio Bucci: Os autômatos de esquerda não sangram em Caracas. Os recitadores de palavras de ordem veem em Maduro o guia genial dos povos. É a tragédia da ideologia”/“_As negociações da Procuradoria-Geral da República (PGR) para a delação premiada do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha estão encerradas. Cunha, reclamam os procuradores envolvidos, é incapaz de reconhecer sua participação em falcatruas na Petrobras. O peemedebista também poupa políticos próximos a ele e não consegue provar as acusações que faz contra o presidente da República, Michel Temer. Na semana passada, Expresso revelou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, classificara a proposta de delação de Cunha como “biscoito de polvilho” porque só fazia barulho._”/“Sobrou para Meirelles, de novo. O presidente Michel Temer trata de aumento de impostos de forma ligeira, como se quisesse testar os limites da paciência do cidadão e eleitor. Melhor não, presidente”/“_Reformas por eles mesmos. Parlamentares trabalham para que suas campanhas sejam pagas pelos brasileiros. Isso não é mudança na política. É busca de sobrevivência à Lava Jato_”/“Sérgio Abranches: ‘O distritão serve para manter privilégios dos deputados’. O sociólogo, autor do conceito “presidencialismo de coalizão”, diz que a reforma política proposta pela Câmara dos Deputados impedirá a renovação”/“_O distritão melhora a política? Deputados com medo de perder o foro em 2018 desistem de se esconder, numa eleição por lista fechada, e passam a apoiar o modelo eleitoral oposto: o distritão, que favorece os mais famosos_”/“A contabilidade cruel das reformas. O Congresso, ao se concentrar na reforma política (e em seu interesse imediato), deixa de lado a avaliação da reforma da Previdência, crucial para a economia”/“_A planilha dos padrinhos. Uma auditoria na Caixa encontra lista de políticos associados a pedidos de empréstimos feitos por empresas a setor comandado pelo PMDB (São citados na matéria os políticos Eduardo Cunha, Geddel, Marco Maia, pastor Everaldo, Leur Lomanto, Sandro Mabel e Mauro Lopes)_”/“O Brasil à margem da revolução das cidades. Ricas e populosas, as metrópoles estão liderando o desenvolvimento no mundo todo. Por que isso não está ocorrendo também aqui?”/“_A geração do desemprego. Há quem fique na casa dos pais ou volte a ela. Mães e pais aposentados sustentam filhos adultos_”.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s